Resenha: O Visconde que me Amava - Julia Quinn / Editora Arqueiro


Classificação:  
Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva. Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração. 

EU AINDA QUERO ME CASAR COM UM BRIDGERTON

Julia Quinn só pode ter algum feitiço guardado, ao qual ela lança sobre seus livros antes de enviá-los para publicação. Porque vou te contar, a cada novo livro eu me apaixono ainda mais. E não é uma paixãozinha não, é um amor descomunal.

No segundo volume da série Os Bridgertons, somos arrebatados para o meio de um romance cheio de confusões e conflitos, mas ainda assim, doce, divertido e muito apaixonante.

Anthony que é o primogênito dessa família é um homem viril, forte, lindo e em contra partida, arrogante e teimoso o que apenas adiciona um charme a mais a ele. Um homem que aos dezoitos anos se viu obrigado a assumir as responsabilidades de uma família inteira, após a trágica morte de seu pai aos 38 anos. O que infelizmente, faz com que nosso Visconde seja atormentando pela ideia de que também morrerá cedo. Por essa razão ao se aproximar dos 30 Anthony decidi que já está na hora de assumir suas responsabilidades como visconde, procurar uma esposa, se casar e produzir um herdeiro (já que ele não consegue se imaginar superando o pai de nenhum modo, inclusive na idade).

É então que Anthony, um libertino, patife (palavras carinhosas usadas pela autora), nota a pequena Edwina, uma jovem de beleza deslumbrante, apontada como a sensação da temporada. O que ele não contava, era que, para conquistar Edwina, primeiro ele teria que ganhar a confiança e apreciação de Kate, sua irmã mais velha super protetora.


Kate, uma jovem simples, sagaz e teimosa. Membro de uma família que precisou economizar muito nos últimos anos, após o falecimento do pai. E que agora pretende debutar as duas filhas ao mesmo tempo, ainda que sua idade esteja um pouco ultrapassada para os padrões da época. Por essa razão, todo seu foco está direcionado a felicidade de sua irmã, em ajudá-la a encontrar um marido honroso.  O que significa que de todos os homens da temporada, Anthony é o último da lista, ou melhor, ele está fora da lista de possíveis pretendentes.

Mas Anthony está determinado, e a desaprovação de Kate serve apenas como gasolina, tornando sua vontade em desposar Edwina ainda maior. É ai que começa um verdadeiro jogo de gato e rato, com direito a diálogos bem elaborados, muito sarcasmo e diversão. Até que o improvável acontece, em meio a determinação de Anthony de conseguir a aprovação de Kate para se casar com Edwina, ele se encontra deslumbrado por sua carrasca.

Anthony ignorou-a. Essa devia ser a melhor alternativa, pois era muito provável que não ignorá-la o fizesse desejá-la, o que era, como ele sabia muito bem, o caminho mais curto e direto para o desastre completo.

Kate sabe que está caminhando sobre ovos, Anthony se mostra o oposto do homem que ela esperava e sem que ela percebesse, está cobiçando o pretendente de sua irmã.

"De repente, era muito difícil estar em sua presença, muito doloroso saber que ele pertence a outra pessoa."

Anthony não buscava amor, ele apenas deseja encontrar uma mulher com quem pudesse compartilhar a vida, até que prematuramente a morte o encontrasse. Kate já estava conformada com o fato de não ser bela e não possuir os atributos necessários para conseguir um marido, além do fato de já ter passado da idade considerada adequada para uma debutante, se conformando com a vida de uma solteirona. Um casal improvável, mas que são o imperfeito, perfeito para o outro.


— Ouça-me — sua voz ainda mais intensa — e escute bem, porque eu só vou dizer isto uma vez. Eu te desejo. Eu queimo por você. Eu não consigo dormir à noite por querer você. Mesmo quando eu não gosto de você, eu desejo você. É a coisa mais enlouquecedora, sedutora, coisa mais condenável. E se eu ouvir mais uma palavra do absurdo de seus lábios, eu vou ter que amarrá-lo à cama maldita e mostrar a você uma centena de maneiras diferentes, até que finalmente você coloque na sua cabeça boba que você é a mulher mais bela e desejável, na Inglaterra, e se alguém não vê, eles são tolos malditos.


Não consigo colocar em palavras o quanto eu amei esse livro. Me emocionei, me diverti e quando acabou eu lamentei. Eu queria mais, eu precisava de mais. Por isso eu digo LEIAM, não tem como se arrepender. É simplesmente mágico.



Até a Próxima! Bye.


CONVERSATION

2 comentários:

  1. Eu amo os Bridgertons, AMO A DIVA DA JULIA QUINN, e olha que eu compre o duque e eu por mero acaso (gostei da capa), daí não parei mais. Amo todos mas até agora meu preferido é o Colin, amo aquele livro, á li e reli todos os 4 várias vezes, ansiosa pelo próximo, á comprei mas ainda não chegou
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá...
      Eu também me apaixonei pela escrita da Julia Quinn. A série os Bridgertons se tornou uma das minhas preferidas. Estou ansiosa para ler o livro da Francesca <3

      Excluir

Back
to top