RESENHA: Coragem - Rose McGowan | HarperCollins Brasil


Uau. É difícil pensar em outra maneira de iniciar essa resenha sem ser com essa expressão. UAU!
Quando recebi o livro da HarperCollins Brasil confesso que hesitei em iniciar a leitura. Não sou uma grande fã de biografias, leio apenas as de personalidades que por alguma razão tenho curiosidade ou admiração e sendo totalmente honesta, nunca tinha ouvido falar em Rose McGowan.
"Minha vida, como você vai ler, me levou de um culto perigoso a outro, o maior culto de todos: Hollywood. E digo isso porque, com exceção da bomba nuclear, nada tem alcance mais amplo do que Hollywood. CORAGEM é a história de como lutei para sair desses cultos e retomei minha vida. Quero ajudar você a fazer a mesma coisa."
Intenso, triste, cru, real. CORAGEM é uma critica a sociedade de modo geral, uma critica a maior indústria do entretenimento do mundo. É o desnudar de uma alma que tanto sofreu, lutou e se feriu com tudo isso. Um desabafo, a desmitificação de um “universo” que julgamos perfeito, que por diversas vezes idealizamos e almejamos.
Rose não teve uma vida fácil. Nascida e criada na Itália, no seio de uma seita chamada MENINOS DE DEUS. Sua infância foi marcada por agressões físicas, emocionais, opressão e humilhação. Foi realmente tenso ler a respeito, acompanhar esse pedaço da vida de uma criança que buscava entender o mundo no qual estava inserida, se descobrindo como ser humano, buscando amor, atenção, segurança e encontrando o completo oposto disto tudo. E não pense que isso melhora. Sua adolescência foi tão complicada quanto. Conforme avançava na leitura e me deparava com aquela jovem tão feroz, buscando sua liberdade, tentando pertencer, ter apoio, lutando por uma migalha de felicidade, mais angustiava ficava, mais compreendida a importância, ou melhor, a necessidade do que estava sendo desabafado/escrito.
“Passar fome desanima. Passar frio desanima. Esconder o terror e ter coragem o tempo todo exige muita energia.”
Os primeiros cinquenta porcento da leitura são dedicados a nos apresentar a Rose, desde sua infância até o momento em que ela chega em Hollywood. E é marcado por uma explosão de sentimentos, raiva, frustração, angustia, carência... A cada palavra escrita eu podia ouvir seus gritos. Foi pesado, intenso, mas esclarecedor. Ela nos obriga a refletir, a questionar o quanto os alicerces são importantes, o quanto as agressões sofridas na infância interferem no adulto que você irá se tornar, na maneira como você irá se portar, se relacionar com os demais a sua volta. Confesso, no lugar dela não sei se teria sobrevivido a tudo isso. Se teria saído ilesa e com a força com a qual ela ressurgiu posteriormente.
E então chegamos a intocável indústria do entretenimento. A maior de todas, a mais visada, a mais brilhante e maravilhosa... Será?. Lugar onde grandes figurões, milionários dominam, mandam e desmandam, são endeusados, fazem sua própria lei. Ainda que eu acredite que isso está mudando, atualmente temos visto denuncias, mulheres que tem vindo à tona para relatar as agressões, expondo o que sofreram, podemos dizer que Rose foi uma das primeiras, a que levantou a bandeira e vem tentando abrir espaço para que outras tenham a coragem de fazer o mesmo. Jamais imaginei encontrar tanta desumanidade, foi realmente um choque me deparar com a realidade por trás dos bastidores – estupro, violência, mulheres sendo usadas, vistas como objetos, exaltadas apenas por sua beleza e sendo obrigadas a negar todo o resto. Acho que nunca paramos para pensar em como os filmes, as séries, as grandes produções acabam influenciando a maneira como pensamos, agimos, nos enxergamos e nos relacionamos com as pessoas a nossa volta. Como sempre julgamos tudo muito inocente e glamoroso, quase que robotizado, deixando de ver os seres humanos, as vidas por trás daquilo. E Rose nos convida a abrir os olhos, a enxergar além das aparências, do que é mostrado.
“Você pode dizer “chega”. Você pode dizer “sim” para ser mais livre. Você pode se libertar da armadilha que foi armada para você.”
Nos cinquenta porcento finais, senti que as emoções eram de firmeza, de certeza, de garra, uma mulher que sabe o que quer, pelo que está lutando e onde quer chegar, perdendo o tom de raiva. Rose por diversas vezes teve sua voz calada, mas hoje é protagonista de sua história, de suas decisões, assumiu o controle, ela teve coragem.
Fiquei chocada, horrorizada e enfurecida. Que leitura impactante. Não entrei em muitos detalhes, não fiquei parafraseando a autora pois acredito que todos devam ler a obra, para assim formar sua própria opinião a respeito de tudo que nos é exposto. É difícil falar de um livro que não é ficção, que é uma história real, pois não temos como julgar. Mas espero ter sido capaz de transmitir um pouquinho do que foi minha experiência de leitura. É uma leitura forte, carregada de emoções, que não romantiza nada, muito pelo contrário desnuda, expõe, acusa. Não a fama, sucesso, nada que possa pagar sua saúde, paz de espirito, tranquilidade e nada jamais deve ser maior que sua vontade de viver, que seu amor-próprio, que sua felicidade. Não aceite, não abaixe a cabeça, não se submeta, você não é obrigada a nada. Seja a protagonista da sua história.
Sem qualquer dúvida, CORAGEM é um livro de superação, de recomeço, de luta. Um desabafo, uma critica, um chamado, um grito. A revelação do lado escuro, daquilo que não enxergamos e que por diversas vezes não queremos ver. Cruel, porém verdadeiro, necessário. Se tiver a oportunidade, leia a obra.

CORAGEM - Rose McGowan
Sinopse: Rose McGowan nasceu em um culto e o trocou por outro, mais visível: Hollywood. Rose McGowan se tornou uma das atrizes mais desejadas de Hollywood da noite para o dia quando foi “descoberta” nas ruas de Los Angeles. O estrelato logo se tornou um pesadelo de exposição constante e sexualização. Todos os detalhes de sua vida pessoal se tornaram públicos, e as realidades de uma indústria inerentemente machista emergiam a cada roteiro, papel, aparição pública e capa de revista. Hollywood esperava que Rose ficasse quieta e cooperasse. Em vez disso, ela se rebelou e impôs sua verdadeira identidade e voz. Ela reemergiu sem roteiros nem desculpas, corajosa, controversa e sempre verdadeira. Liderando o movimento de denúncias de assédio sexual na indústria de entretenimento ao expor os crimes de Harvey Weinstein, Rose é hoje um dos rostos do movimento feminista e não hesita ao disparar verdades inconvenientes e exigir mudanças. Coragem é seu livro de memórias em forma de manifesto — um relato sem censura nem piedade da ascensão de um ícone millennial, uma ativista sem medo e uma força de mudança imparável determinada a expor a verdade sobre a indústria do entretenimento, trazer à luz uma indústria multibilionária construída sobre a misoginia sistêmica e apoderar pessoas ao redor do mundo a acordarem e terem coragem.
Ficha técnica:
Biografia | HarperCollins Brasil | 2018 | 1° Edição | 288 Páginas | Classificação: 4/5 | SKOOB - AMAZON


Até a próxima! Bye.

Você pode gostar também...

0 comentários