RESENHA: Senhorita Aurora - Babi A. Sette | Verus Editora


Vamos falar de talento, originalidade, ousadia e capacidade de se reinventar, inovar e literalmente passear entre mundos tão opostos, de verdades particulares e alcançar não apenas uma fatia do mercado literário e sim praticamente sua totalidade. Exatamente, hoje iniciei a resenha falando sobre a autora, exaltando sua delicadeza, sensibilidade, sabedoria e desse modo também aproveitando para iniciar minhas considerações a respeito de seu novo trabalho. Babi A. Sette, parabéns, e o que falar de Senhorita Aurora? Brilhante.

Nicole é uma jovem sonhadora, determinada, que carrega todo seu mundo na ponta dos pés, depositando nesse passo perfeito todas as suas expectativas. Ela, junto com sua mãe precisou enfrentar muitos obstáculos, sacrificar muitas coisas, porém jamais desistiram. Uma mulher talentosa, focada, uma bailarina buscando seu espaço, e uma oportunidade que aparece bem diante de seus pés, o problema é que para alcançar seu tão sonhado topo – O papel principal em um espetáculo da Companhia de Balé de Londres -, terá que primeiro lidar com uma das pessoas mais arrogantes e espetaculares do meio. Mas a garota é dura na queda e quanto mais a pressionam, mais cresce.

“Através dos braços, pernas, respiração, suor e cada célula do meu corpo, senti o êxtase que ficava após uma fusão completa da minha alma com a dança.”

Um homem atormentado, assombrando por seus segredos e inseguranças. Um maestro voraz, entregue a sua música e profissão, mergulhado em sua própria dor, refugiado em si mesmo, aguardando ainda que inconscientemente que alguém tenha coragem o suficiente para desafiá-lo, transpor suas barreiras e resgatar o seu verdadeiro EU que a muito foi aprisionado. Daniel é arrogante, grosseiro, exigente, de aparência rústica e ar superior, conhece seu valor no meio musical e não finge ser o que não é. É a primeira vez que ele irá dirigir um espetáculo de balé e a única coisa que procura é PERFEIÇÃO, nem que para isso tenha que levar todos ao limite.

“Que tipo de sofrimento fazia alguém se fechar em uma carapaça de grosseria para não mostrá-lo aos outros? Por que o senhor Hunter escondia isso, talvez até dele mesmo.”

Nicole sabe que deve se manter longe, que Daniel é intocável, antissocial e mais parece um repelente humano, que gosta de descontar suas frustrações e ódio sobre ela, porém ela sente que existe algo a mais, existe uma centelha dentro de si que a impulsiona a tentar desvendá-lo. Daniel por outro lado é a negação em forma humana, se sente merecedor de toda dor, de toda infelicidade e tem medo de se abrir, de acreditar, de se permitir. Para ele agredir é uma forma de defesa e confesso que por diversas vezes minha revolta e raiva por esse personagem superou minha admiração e curiosidade por seu segredo, algumas de suas atitudes me levaram a acreditar que não poderiam se consertadas, que não teria como serem perdoadas e então... tomei na cara. E agora serei ambígua, aquilo que me surpreendeu, também foi aquilo que me revoltou, pois mesmo diante do que me foi apresentado, para mim não justificava todo o comportamento agressivo do personagem, entretanto é muito mais fácil falar quando estamos olhando do lado de fora, sem nunca ter passado pelo problema, sinto como se não tivesse competência para julgar nesse momento, o que só evidencia o talento da autora mais uma vez. Ela nos deixa enfrentando uma dualidade de emoções.

“— Minha Aurora — ele segurou o meu rosto entre as mãos e concluiu: —, luz do meu coração.”

Já Nicole me conquistou desde o início, ela é o tipo de personagem que é mais do que aparenta, que chega de mancinho, quase que vulnerável e que de repente revela toda sua grandeza e obstinação. O que posso dizer é que foi sua curiosidade, sensibilidade e a determinação de uma jovem movida por um sentimento ao qual jamais havia sentido antes, que salvou uma fera aprisionada em si mesma. Daniel era a escuridão e Nicole o único raio de sol que OUSOU brilhar em meio a sua treva. E acompanhar a construção deste romance, foi LINDO de várias formas e maneiras.

“ A vida não faz pessoas fortes; ela te joga os desafios e você escolhe se vai deixar que eles te atropelarem, ou se vai passar por cima.”

SENHORITA AURORA só pode ser definida como INTENSA. A obra fala sobre recomeços, perdão, vida. Sobre ser capaz de levantar após uma tragédia, se permitir. Aqui temos uma alma tão profundamente ferida, cego pela dor, medo e insegurança, que esquece que dentro de si habita um homem precisando desesperadamente de um recomeço. Pessoas que precisam superar uma montanha de obstáculo não uma, mas duas vezes e com um equipamento de escalada que ameaça se romper a cada passo. São altos e baixos, desafios e um romance capaz de curar e libertar. O que senti ao ler Senhorita Aurora é que Babi vestiu, respirou e viveu cada palavra escrita, ela derramou sua alma no papel formou palavras e criou um livro marcante e inesquecível.

“Entendo hoje que os sonhos não nos abandonam nunca, somos nós que desistimos deles. E fazemos isso porque na grande maioria das vezes as coisas não saem como esperamos, como planejamos.”

Quando peguei o livro para ler jamais imaginei a carga dramática que a história possui. Por outro lado, também não esperava ler o livro em questão de horas, fiquei totalmente envolvida e viciada pela trama e largá-la antes de concluí-la não era uma opção. E apesar de ter amado o enredo, ter ficado fascinada pelos cenários bem explorados, encantada pelos personagens intrigantes e bem construídos, algo no final do livro me deixou mega irritada e somente por isso, mesmo lhe dando cinco estrelas, não o favoritei. Não é nada que minimize a grandeza da obra, é que meu coração sofreu com a reviravolta inesperada, ainda que eu compreenda perfeitamente que essa decisão tenha tornado a história mais verossímil, como humanos falhamos, erramos, agimos por impulso, pela dor e pensamos depois, porém por ser um livro, quis a fantasia, a ideia da mulher altruísta e madura. E é importante dizer que isso é algo muito particular, e que em nada irá atrapalhar a sua experiencia de leitura.

Não entrei em muitos detalhes em minha resenha, pois a autora trabalha um tema importantíssimo e não quero dar spoilers, por isso esteja preparado para ser surpreendido.

Não é segredo que AMO a escrita da Babi, assim como ficou claro que eu me apaixonei por Senhorita Aurora, por isso SIM recomendo o livro a todos os amantes de uma boa história. Que estão à procura de um enredo intenso, conflituoso, cheio de personalidade e marcante. Com uma narrativa fluida, envolvente e SUPER viciante.



SENHORITA AURORA - Babi A. Sette


Sinopse: Nicole é uma jovem bailarina e está prestes a realizar seu sonho: estrear no papel principal em uma peça na Companhia de Ballet de Londres. Tudo estaria perfeito se não fosse pela presença de um dos seus diretores, o temido Daniel Hunter, um maestro prodígio de temperamento difícil, com um humor sombrio e que desperta em Nicole sentimentos contraditórios. Quando uma tempestade de neve isola os dois em uma mansão centenária, Nicole e Daniel serão obrigados a encarar não apenas os segredos que atormentam o maestro, mas também uma paixão proibida — e avassaladora — que nasce entre eles. Entre a tão sonhada carreira na dança, um amor intenso como ela nunca sentiu e a própria segurança, Nicole se verá diante de escolhas que parecem impossíveis. E caberá a ela resgatar Daniel de seu próprio passado... Senhorita Aurora é um romance poderoso, tocante e perturbador, que mostra que todos merecem uma segunda chance, até mesmo alguém com fama de monstro.
Ficha técnica:

Romance | Verus Editora | 2018 | 1º Edição | 342 Páginas | Cortesia | Classificação: 5/5 | SKOOB - AMAZON


Até a próxima! Bye.

Você pode gostar também...

2 comentários

  1. Oi Bia, acho que gostei mais da resenha do que do livro haha, não me leve a mal, eu gostei muito dessa leitura e também faço parte dos fãs da Babi, mas achei a resenha linda, bem escrita, sem spoilers, por favor volte a escrever seus livros kkkkk, quero continuações <3
    Mas voltando a falar da história, Babi abordou um tema sério e que não me lembro de já ter visto nos romances que já li, essa ousadia nos rende uma história intensa e mesmo não sendo o meu favorito dele, é uma história que vale a pena ler ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooooii Lili. Aiiii que coração quase saiu do peito. Obrigadaaaaaaaaa <3 Eu também amo os livros da Babi e apesar de ter gostado muito deste, também acho que ela tem melhores. Ela sempre ousa, trás algo novo e importante, e isso torna as leituras marcantes.

      Obrigadaaaaaaaaa, fico feliz em saber que gosta dos meus livros. Prometo que irei tentar voltar a ativa.

      Beijoooooooooooooooooooooooos

      Excluir