Everless – Sara Holland | Editora Morro Branco

Resenha postada originalmente no blog Estante Diagonal no qual sou resenhista.

Se existe uma pessoa que odeia a família Gerling, é Jules Ember. Com apenas dezessete anos, essa jovem já amargou e ainda amarga uma vida de miséria e medo. Obrigada a deixar Everless com seu pai ainda quando criança, após um incidente, Jules viu sua vida “feliz” virar de cabeça para baixo. Seu pai um homem muito doente não pode mais trabalhar, o aluguel está atrasado e a única moeda que rege o Reino de Sempera é o tempo, tempo este extraído do sangue e vinculado a moedas de ferro. A angustia a aflige, cada vez que o credor chega à porta de sua casa e sangra seu pai, extraindo para longe sua força e vitalidade. É o desespero que a leva a caçar, a nutrir uma falsa esperança de conseguir o valor suficiente para sanar as dívidas, de poder ajudar o seu pai da maneira que puder e como der. E é o medo de perdê-lo que a faz pela primeira vez pensar em voltar a pisar em Everless. A encarar o jovem Lorde Roan, um amigo por quem nutre um carinho especial e seu odioso irmão Liam que representa tudo de ruim que lhe aconteceu. O problema é que Everless esconde perigos aos quais Jules não faz a menor ideia e seu retorno pode significar um risco não apenas para si, como para aqueles que ela ama.

O Reino de Sempera tem como moeda o tempo, moedas forjadas no sangue e no ferro, onde os ricos ficam cada vez mais riscos e os pobres morrem cada vez mais cedo. A desigualdade não poderia ser mais brutal, cruel e severa. Os Gerling são uma família poderosa e aristocrática que prospera mais a cada ano, controlando tudo ao seu redor. Jules os odeia, eles representam o pior que lhe aconteceu, após anos de trabalho e dedicação, expulsaram seu pai e ela para longe de tudo que conheciam, matando seus sonhos, os lançando no desconhecido sem se preocuparem se ficariam bem. Mas a necessidade está a levando de volta para a casa daqueles que tanto odeia, ela precisa do pagamento, ainda que seu pai não aprove, que implore para que ela desista, não há muito tempo a seu favor e essa é sua única oportunidade de poder fazer algo. Jules acredita que ficará apenas o tempo suficiente para juntar a quantia necessária, mas obviamente que tudo foge ao seu controle, e quanto mais a verdade se aproxima, mais a jornada de Jules se revela diferente daquela pela qual ela foi buscar.

“(...) Sou assombrada por pensamentos sobre a lâmina do credor do tempo, sobre os frascos esperando para serem preenchidos com sangue. E então o sangue esperando para ser transformado em ferro, a onda de exaustão que ouvi dizer que se segue após o tempo ser sugado das veias de uma pessoa.”

Everless esconde muitos segredos, alguns tão poderosos que são capazes de perpetuarem mesmo após séculos e séculos. Mistérios que rondam a rainha de Sempera, que apesar de amada e idolatra por seus súditos – devido a sua história -, é uma figura austera, fria e inalcançável... que assusta. Mas, que no passado optou por escolher uma criança que criaria como sua para herdar o trono, o que levou muitas famílias a abandonarem seus filhos em sua “porta” na esperança do mesmo ser o escolhido. Enfim uma atraiu sua atenção, e agora a jovem Ina Gold irá se casar com o Lorde Roan, selando uma aliança poderosa e quem sabe dando o descanso que a rainha precisa. Ou pelo menos era isso que parecia...

Estou muito animada e provavelmente não esteja fazendo muito sentido, mas vamos lá. EVERLESS é uma história sobre traições, mentiras e manipulações. Amizades que se romperam em nome da ambição, uma busca frenética pelo poder e a imortalidade, que custou a todos um preço de sangue. Sempera é o reino, Everless é a “cidade” onde tudo está de fato acontecendo, mais precisamente dentro da casa dos Gerling, mas a verdade é que essa história começou a centenas de anos atrás com a feiticeira e o alquimista – que vocês conhecerão muito bem quando lerem a obra. A desigualdade é um dos pontos altos da trama, onde ricos ficam cada vez mais poderosos, crescendo em cima de sangue inocente, consumindo o tempo de maneira leviana e aleatória, tirando daqueles que precisam sem nenhum remorso ou preocupação. Já os pobres, perdem literalmente seus dias, meses, anos, a vida, sangrando para conseguir “sobreviver”, pagar as suas dívidas – assustador e tão real. Jules está no meio deste turbilhão, ela recém completou dezessete anos e somente agora poderia ser sangrada – uma regra de idade mínima do reino -, e então surge a oportunidade de ganhar muito mais se aceitar um emprego como serviçal na casa dos Gerling, só que Jules tem um passado naquele lugar e retornar pode colocar sua vida e de seu pai em risco, só que não pelos motivos que ela acreditava e é aí que a narrativa se torna grandiosa. O que posso dizer sem que envolva spoiler, é que nada do que acreditávamos, ou o ar “previsível” que estávamos apostando para o enredo, existe e é então que somos surpreendidos por uma história que se revela muito maior e mais intensa do que realmente parecia ser.

“Outro pensamento me atinge com força: talvez eu também seja um mistério – um segredo – que precisa ser desvendado.”

Eu AMEI. Jules é o tipo de protagonista que me cativa. Ela é forte e decidida, inteligente, e está disposta a tudo para salvar a vida do seu pai. Trabalha duro, tem um senso aguçado, e ainda que mergulhe no desconhecido com certa ingenuidade, ela não para diante dos sustos e obstáculos. Eu amei que a história é narrada sobre seus olhos, porque temos a oportunidade de ir descobrindo tudo, junto com ela, não é como se soubéssemos ou tivéssemos tido alguma percepção antes dela mesmo ter, então somos surpreendidos e atacados junto. Outro ponto muito positivo na trama é o quebra-cabeça que temos, nada realmente é o que parece, Jules está sozinha em sua jornada e precisa ir descobrindo aos poucos, com quem pode contar, e isso significa que ela erra muitas vezes, o que acaba nos aproximando dela, e o que dá a ela um ar de “humanidade”. Toda a construção dos personagens, é incrível, não tem um que esteja sobrando ou fazendo “figuração”, a escolha de cada um foi precisa e necessária. Os cenários são bem desenhados e explorados, conseguimos visualizar e ter uma ideia do que a autora quer mostrar. A narrativa é fácil, fluida, envolvente e viciante, o que torna o livro uma ótima opção para quem quer começar a ler o gênero. E a escolha em si do “tema” central, foi genial.

É um enredo que promove reflexões, que critica a sociedade e o ser humano. É uma história que se revela com muitas camadas, que vamos desvendando ao virar das páginas e que assusta porque mesmo se tratando de uma fantasia, sua proximidade com a realidade é chocante – capitalismo, desigualdade, a busca pela perfeição, exploração, inveja, egoísmo, desgoverno, manipulação... Enfim, já deu para notar que é mais do que realmente aparenta ser.

“Ele apoia o queixo na mão e inclina a cabeça para mim, esperando uma reação, mas minha mente está girando com o que ele contou. Não é incomum que o tempo tropece de vez em quando, reduzindo-se, acelerando ou pausando por um momento, de modo que o vento e o sol fiquem imóveis enquanto seguimos com nossas vidas, sem perceber que estávamos fora da corrente temporal. Mas tudo sempre se resolve. Não consigo acreditar que o tempo poderia parar durante meio dia – e ainda menos que o atraso poderia persistir por tanto tempo.”

Estou com expectativas altíssimas pelo que está por vir. A autora conclui a história deixando para o leitor um mundo de possibilidades, vários caminhos pelos quais a nossa protagonista pode seguir, entregando um enredo ainda melhor que o primeiro, quero dizer, sólido, empolgante e inesquecível. Ansiosa para desvendar o final dessa duologia.

Preciso mencionar ainda que gostei muito da capa, pra mim fez todo o sentido com o enredo. Diagramação simples e muito bem-feita. Bom trabalho Editora Morro Branco.

Fica aqui minha indicação de leitura, cheia de muito amor.


EVERLESS; Prisioneiros do tempo e do sangue | Sara Holland

Sinopse: BEST SELLER DO NEW YORK TIMESNo Reino de Sempera, os ricos controlam tudo – até o tempo. Desde a era da alquimia e da magia, horas, dias e anos são extraídos do sangue e vinculados a moedas de ferro. Agora, aristocratas como a família Gerling, prosperam por séculos, enquanto os pobres sangram até morrer.E ninguém guarda mais rancor deles do que Jules Ember. Uma década atrás, ela e seu pai eram serviçais em Everless, a propriedade feudal dos Gerling, até que um fatídico acidente os obrigou a fugir. Agora, desesperada para ganhar mais tempo, Jules precisa retornar a Everless em meio às preparações para o casamento de Roan, o mais jovem lord Gerling, com a filha da Rainha.Entre a inesperada bondade de Roan, a crueldade de seu irmão Liam e os terríveis rumores que rondam a Rainha, Everless traz mais tentações – e perigos – do que Jules jamais imaginou. As histórias de sua infância começam a ganhar outro significado, revelando um passado que ela mal reconhece e uma rede de nefastos segredos que podem mudar o seu futuro – e o curso do próprio tempo – para sempre.
Ficha técnica:
Fantasia, Jovem Adulto | Sara Holland | Morro Branco | 2019 | 1º Edição | 368 Páginas | Tradução: Isadora Prospero | Classificação: 5/5 | Onde encontrar: SKOOBAMAZON

Até a próxima! Bye.

Você pode gostar também...

0 comentários