The Girl From Everywhere: O Mapa do Tempo - Heidi Heilig | Morro Branco


* Essa resenha foi postada originalmente no blog ESTANTE DIAGONAL, no qual sou resenhista.

Nix é uma marinheira viajante do tempo, a bordo do Temptation, um navio com estilo caravela, onde seu pai, mais três tripulantes e ela, navegam não apenas sobre os sete mares, mas também, através do tempo, sendo capazes de se deslocar para qualquer época ou lugar, desde que tenham o mapa certo. E este é o papel de Nix, ela é especialista em ler mapas e decifrar se são ou não originais, válidos para o próximo destino. Para que as viagens funcionem os mapas precisam ser bem específicos, desenhados a mão, com requinte de detalhes e datados.

Entretanto, mesmo que possam estar em qualquer época ou lugar, o pai de Nix, o único que sabe como navegar através da névoa e mapas detém uma obsessão, voltar para Honolulu em 1868, data em que supostamente Nix nasceu e sua mãe faleceu. O problema é que nenhum mapa funcionou até agora, o que lhe causa profunda tristeza. E ainda que todas as tentativas tenham sido frustradas ele jamais desiste e está sempre a procura de um novo mapa, dando voltas e voltas, até uma nova tentativa.

“(...) Eu tentei, mas... — Como explicar as dúvidas, a incerteza enlouquecedora daquelas horas terríveis? A lembrança era confusão de momentos sombrios, desconexos, como destroços em um vasto mar de medo, e as palavras se transformaram em areia em minha boca.”

O problema desta obsessão é que voltar para Honolulu em 1868 significa jogar Nix ao desconhecido, sem saber o que vai acontecer com ela, fato este que parece não preocupar seu pai, já que ele sempre deixou bem claro que a trocaria para poder reencontrar a esposa.

Nix cresceu a bordo do Temptation e apesar de na infância ter recebido carinho de seu pai – Slate e capitão do navio -, isso não perpetuou ao longo dos anos, os jogando em um relacionamento complicado. Por diversas vezes ela pensa em fugir, comprar seu próprio navio e zarpar pelo mundo, mas apesar de ser uma ótima cartógrafa, ela nunca aprendeu a navegar, já que seu pai sempre se recusou em ensiná-la. Ela acredita que tal resistência seja porque ele precisa dela para encontrar o mapa perfeito que irá leva-lo de volta para os braços da mulher que ama, e não porque ela é sua filha e ele teria algum tipo de amor por ela. E esse relacionamento complicado é palpável para o leitor, pois sentimentos toda tensão, culpa e necessidade de compreensão que ambos exalam. Nix tem medo do que pode acontecer com ela, caso seu pai realmente consiga retornar e alterar a linha do tempo e em contrapartida, sofre com a culpa de vê-lo tão infeliz e obcecado com essa viagem. Um misto de emoções que a persegue por toda a narrativa. Principalmente quando Slate encontra o mapa que pode ser o certo, ameaçando sua existência pra sempre.



The Girl From Everywhere é o tipo de livro que te suga pra dentro da trama e seus mistérios, te deixando apreensivo e ansioso pelo que está por vir a cada nova virada de página. Nix é uma protagonista jovem, mas muito madura, inteligente e determinada. Que está tentando se encontrar, estabelecer seu espaço e até mesmo se impor. Ela luta com as armas que têm. Todos os personagens são atraentes de alguma forma, e deram ao enredo uma representatividade interessante. Aqui temos um enredo que se conecta, faz sentido, que trás criaturas mágicas e mitológicas, que se encaixam muito bem na trama. É uma história que se fecha bem, ainda que deixe uma brecha pelo que está por vir.

“(...) — Quando era jovem aprendi a contar com a perda. Cada vez que dormia, alguma coisa desaparecia. Cada vez que acordava, alguém tinha ido embora. Mas... também aprendi que criamos alguma coisa nova todos os dias. E seja o que for, vivemos essas coisas enquanto elas duram. Gastamos o dinheiro quando ele está no bolso. (...) comemos a fruta quando ela está madura. (...) Paraíso é uma promessa que nenhum deus se incomoda de cumprir. Só existe o agora, e amanhã nada será igual, gostemos disso ou não.”

Eu gostei muito da forma como a autora construiu seus personagens. Amei os cenários, a riqueza de detalhes, como tudo foi muito bem pensado e solucionado como um imenso quebra-cabeça que vamos encaixando peça por peça. É um livro rico de mitologia, de seres mágicos, com fatos históricos reais, que faz com que realidade e ficção se misturem. Uma leitura rápida e fluida, que promove algumas reflexões relevantes como lealdade, amizade, família, sacrifício, pertencimento, confiança e amor.

Buscando por aventura, ação, viagem no tempo e uma protagonista feminina forte. Aqui temos todos esses elementos.


THE GIRL FROM EVERYWHERE: O mapa do tempo

Sinopse: Nix é uma viajante do tempo. Ela e seu pai, Slate, velejam a bordo do Temptation, um navio pirata repleto de tesouros. Ao longo do caminho eles encontram amigos, uma tripulação de refugiados do tempo e até mesmo um charmoso ladrão que pode significar muito mais para Nix. Tudo que Slate precisa é um mapa certo para viajar a qualquer tempo e lugar, real ou imaginário: seja para a China no século 19; terras vindas direto das Mil e Uma Noites ou até mesmo uma mítica versão da África. Apesar das inúmeras possibilidades, o pai de Nix está obcecado com um mapa específico: Honolulu, 1868 – o ano de nascimento de Nix e a última vez em que ele viu sua esposa viva. E, por uma chance de reencontrá-la mais uma vez, Slate está disposto a sacrificar a tudo e a todos. Quando o desejado mapa aparece, Nix vê sua própria existência em perigo e agora deve descobrir o que quer, quem é, e aonde realmente pertence, antes que seu tempo acabe. Para sempre.
Ficha técnica:
Ficção cientifica, Fantasia | Heidi Heilig | Morro Branco | 2017 | 1º Edição | 414 Páginas | Tradução: Débora Isidoro| Cortesia blog amigo | Classificação: 4,5/5 | Onde encontrar: SKOOBAMAZON - SUBMARINO

Até a próxima! Bye.


Você pode gostar também...

0 comentários