A Segunda Morte de Suellen Rocha - Cláudia Lemes | Avec Editora

* Resenha postada originalmente no blog Estante Diagonal, no qual sou resenhista.

Suellen, Mariana, Dafne e Cacau, não poderiam ser mais diferentes umas das outras, porém, juntas formam um quarteto de amigas quase que inseparáveis se auto nomeando, as flores. Esse laço é tão marcante que elas decidem tatuar em suas lombares; Mariana, tatua uma magnólia, Dafne uma amarílis, Cacau um lótus e Suellen, uma tulipa. Algo tão “normal” quanto fazer uma tatuagem não deveria oferecer riscos, entretanto parte do processo da errado, de modo terrivelmente ruim, mudando a vida destas jovens para sempre. Um pacto é selado, um segredo horrível que juram nunca mais mencionarem, algo que aparentemente havia sido deixado no passado, só que vinte anos depois Suellen é brutalmente assassinada, o criminoso não deixa vestígios, nada além de seu ódio muito aparente, a única pista fica a cargo de uma mensagem deixada por ele, uma única palavra escrita com sangue na parede: ASSASSINAS, trazendo de volta velhos medos, segredos e uma rede de corrupção, capaz de destruir a vida de todos os envolvidos, e a pequenina flor tatuada pode ser a chave para o que claramente é apenas o início de um massacre. Agora, Mariana, Dafne e Cacau, precisam correr contra o tempo, antes que uma delas se torne o próximo alvo.

Preciso começar falar deste livro já mencionando o quanto ele é cheio de gatilhos, portanto se você é sensível a algum tipo de violência, por favor, CUIDADO, esse tema será recorrente na trama e por vezes descrito graficamente.

A SEGUNDA MORTE DE SUELLEN ROCHA, já deixa o questionamento em seu título, qual foi a primeira morte? Quem matou, Suellen? Como? E então iniciamos a leitura e olha ela lá, morrendo pela segunda vez, e trazendo novas perguntas e um mistério que parece impossível de se resolver. Suellen, Mariana, Dafne e Cacau são amigas, talvez o grupo de amigas mais improváveis que eu já vi, e isso é interessante porque já nos permite ver o interesse por trás de cada peça, ou seja, o porque delas se tolerarem, e com isso não estou dizendo que não exista sentimentos genuínos. As flores se tornam inseparáveis, sempre juntas, até que algo ruim acontece, fazendo com que selem um pacto, um segredo que elas juram nunca compartilhar com ninguém. Vinte anos se passam e o passado volta a assombrá-las, deixando claro que esse segredo não estava tão bem guardado assim, alguém mais sabe o que aconteceu naquele dia e está louco buscando por vingança, a segunda morte de Suellen deixou isso bem claro. É a deixa para que as três flores sobreviventes, voltem a se encontrar e assim quem sabe, conseguirem desvendar o que aconteceu antes que uma delas seja a nova vítima. Só que envolvidos nessa história aparece três personagens a mais, que devemos prestar atenção: Reno, Gustavo e André.

“(...) Olhou para as duas amigas abraçadas e pensou que no final aquilo acabava sendo a história de todas as mulheres. Abraçadas, tingindo os tecidos uma das outras com sangue e lágrimas.”

O que mais me chamou a atenção ao longo da leitura, é que temos personagens humanos, reais até demais, desenvolvidos propositalmente para nos deixar com asco, raiva e ódio, ao mesmo tempo em que são capazes de tirar de nós empatia. Outro ponto que também preciso mencionar, é que o livro fala de pessoas violentas, com atitudes cruéis, rompantes de raiva, impulsividade e é como ver a natureza humana em seu pior momento. Até onde poderemos ir com nossos limites sendo testados? O quanto de culpa somos capazes de suportar? O quanto a culpa pode corroer e dominar? A verdade é que existe uma linha muito tênue entre a loucura e a sanidade, entre o que é certo ou errado. A história também trabalha temas como religião, politica, aborto, estupro... e olha, é para engolir em seco, respirar fundo e ter consciência de que tudo isso é mais real e presente do que gostaríamos de pensar. Tudo que é extremo e radical, é prejudicial, é errado e vai causar terror.

E para fechar com chave de ouro A SEGUNDA MORTE DE SUELLEN ROCHA, trás um final agridoce, ácido, deixando o leitor sem saber como agir, reagir. É ficar sem palavras, sem ar, inquieto, com a mente fervilhando. Eu terminei essa leitura encantada com a genialidade e ousadia do enredo, odiando e envolvida com as personagens – mesmo com todos seus defeitos e erros -, ao mesmo tempo em que concluo essa leitura, cheia de conflitos, questionamentos e sensação de hipocrisia – moral, social, valores e princípios. E isso é mérito total da autora e sua narrativa instigante, fluida, viciante e visceral, que mescla passado e presente, e tramas que se entrelaçam. Fique atento, pois existem muitas peças para se encaixarem nesse quebra-cabeça.

“Cartas e as palavras que não podem ser trocadas em vozes, com olhares, com toques. Cartas falando covardemente, sem chance para interrupções, argumentos, perguntas. Impossível discutir com uma carta, fora na própria cabeça, aos berros, enquanto lágrimas espatifam no papel, numa última tentativa inútil de apagar o que foi escrito.”

Pra mim, thriller bom são esses que nos deixam angustiados, em polvorosa, buscando explicações, meios de esmiuçar tudo aquilo que foi revelado, mas que só dá para de fato saber... SENTINDO. É mais que uma leitura, é ser espectador das cenas, sentir frio na barriga e ansioso pelo que está por vir no virar da página.

Cláudia Lemes possui uma identidade muito forte em suas narrativas, a maneira como ela desenvolve os personagens, as escolhas de temas abordados e como eles serão trabalhados, chocam, confrontam, bate de frente com o leitor. Ela consegue falar diretamente com a pessoa do outro lado das páginas, o deixar em conflito e questionando o que leu, precisando de um tempo para digerir e assimilar. Existe muita realidade em suas palavras, uma verdade que não gostamos de afrontar. Para mim, Cláudia Lemes é um nome a se prestar atenção, é hoje a melhor autora de Thrillers, nacional.


A Segunda Morte de Suellen Rocha

Sinopse: Numa tarde em 1996, quatro adolescentes cometeram um crime impensável na mata densa da cidade de Jepiri. Nos dias atuais, Suellen Rocha é atacada e mutilada. Na parede, apenas uma palavra escrita com o sangue fresco: “Assassinas”. Agora, Mariana, Dafne e Cacau serão sugadas por um redemoinho de intrigas, política, corrupção e segredos que acharam que haviam enterrado vinte e um anos atrás, antes que uma delas seja a próxima vítima. A Segunda Morte de Suellen Rocha é o sexto romance de Cláudia Lemes. Aborda temas sensíveis como a corrupção e a influência das igrejas nas pequenas cidades brasileiras, enquanto nos apresenta personagens imperfeitos e realistas que poderiam ser nossos vizinhos. AVISO DE GATILHO: Como todos os livros da autora, A Segunda Morte de Suellen Rocha é uma obra policial violenta que toca em temas como machismo, abuso sexual, aborto e suicídio.

Ficha técnica:

Thriller, Literatura Nacional | Cláudia Lemes | Avec Editora | 2020 | 1º Edição | 304 páginas | Cortesia do blog parceiro | Classificação: 4,5/5 | Onde encontrar: SKOOBAMAZON

Até a próxima! Bye.

Você pode gostar também...

2 comentários

  1. Muito obrigada pela resenha! Muito profunda e bem desenvolvida. Fico muito feliz que tenha gostado da leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiiii. Muito obrigada por todo carinho, eu amo seu trabalho e com certeza teremos mais dele por aqui no blog. <3 <3

      Excluir